aqui pelo campo


Deixe um comentário

Teste para saber se é um introvertido

Imagem

1,prefere conversas individuais a conversas em grupos- SIM

2,Geralmente expresso-me melhor através da escrita- SIMMMM

3,Gosto de estar só- SIM

4,Sinto que  ligo menos a riquezas, fama, e status- (gosto de me sentir segura, a fama é inerente ao networking hoje em dia, e não ligo a status mesmo!!)

5,Detesto conversa de “deitar fora” mas gosto de conversar temas específicos e de fazer uma boa conversa- SIM

6,As pessoas dizem-me que sou uma boa ouvinte- ANDO A TREINAR ( é a minha “luta” ente ano. Falar menos, ouvir mais e observar melhor)

7,Não sou pessoa de correr riscos- Já fui assim,…agora nem exito!!

8,Adoro trabalhos que me permitem mergulhar em mim própria sem interrupções- SIM

9,Gosto de festas em escala familiar, sem grandes confusões de muita gente- SIM

10,As pessoas descrevem-me como “falas mansas”- hummm, NÃO ( mas já me disseram- A Graça não anda!! Flutua!!)

11,Não gosto de discutir o meu trabalho com os outros até estar pronto- Bom, tenho que dar um grande SIM, mas não considero de todo uma qualidade!!

12,Detesto conflito- SIMMMM

13,Trabalho melhor sozinha- SIMMM

14,Penso antes de falar- Hoje é sem duvida um SIM

15, Sinto-me “drenada” depois de sair e só penso em retornar á minha casa- Bom…é MUITO VERDADE! ( Acho que é uma das que me assenta mesmo!!)

16,Quando não reconheço um numero não atendo- Bom…muitas vezes o meu impulso é faze-lo. Hoje em dia já me deixei disso, mas é algo de facto instantâneo!!

17, Se tivesse que escolher um fim de semana silencioso, sem nada marcado, ou um outro cheio de programas- Nem exito na resposta mas o primeiro eu ADORO.

18,Não gosto de tarefas múltiplas- Sempre as fiz, mas não aprecio

19,Não me consigo concentrar com facilidade- Já lá vai o tempo!! Graças a Deus

retirado do livro QUIET de Susan Cain

Anúncios


Deixe um comentário

A postura Fato e sapatilhas

Imagem

Há muito tempo que não comprava uma ELLE UK (ainda uma das minhas favoritas) e ontem vim do Porto com uma, e com a AD Espanhola que é excelente para quem gosta de estilo mais alternativo.

Estive a ler uma entrevista com Vittorio Radice, o homem forte por trás de uma cadeia de lojas imensa, em Itália.
La Rinascente
Como com estas pessoas acho que se aprende sempre muito sobre coisas básicas como a simplicidade, fui ler e claro: não me enganei.
Uma entrevista daquela de resposta rápida que aparecem no final de cada artigo
Todos os milionários convictos que acompanho, tem uma sabedoria muito além do simples acto de viver com muito dinheiro, e sempre aprendi muito a explorar essa sua faceta em videos, ou palestras, ou entrevistas…
Aqui deixo as deixas que mais me tocaram desta entrevista:
Diga-me 5 palavras que o descrevam:
O quê?? Isso é muito arrogante. Deixo-a a si dizer algumas. Talvez imprevisível.
Tem algo de que se arrependa:
(pausa longa) Nunca aprendi a nadar convenientemente
Qual é a palavra que mais usa:
Fantástico
Com quem gostava menos de ficar preso num elevador?:
Uso escadas sempre…
Quem gostaria de ter conhecido??
Cristóvão Colombo quando teve que convencer a sua tripulação a continuar. Estou interessado em conhecer pessoas que lutam.
Qual considera o seu maior feito?
Ainda está para vir…
Alguma vez falhou em alguma coisa?
Sinto que falho todos os dias, mas a vida continua. Aprendo com os erros. A maioria das pessoas não os faz porque não tentam o suficiente, não se esforçam o suficiente.
Como sente o luxo?
Uma ambição pela qual fizemos realmente um esforço. Tempo livre para mim é também um luxo.


Deixe um comentário

Dão-se bons conselhos

Imagem

“O teu tempo é curto
por isso não vivas a vida dos outros
não te prendas a dogmas-ou seja, áquilo que os outros pensam
não deixem que as opiniões barulhentas dos outros abafem a voz que te vem de dentro
e o mais importante
tem a coragem de seguir o teu coração e intuição
eles sabem o que tu realmente queres ser
o resto é resto”
Steve Jobs


2 Comentários

“…a estrada não é perfeita., apenas uma vida…aproveita”

Imagem

Ontem aconselhava uma amiga a acordar as 6h da manhã, porque entre as 6h e as 8h aprendi ser a melhor hora para enviar emails importantes, algum problema de criação sairá muito bem nessa hora, e tudo antes das habituais tarefas matinais.

Hoje de amanhã enviei-lhe uma mensagem a dizer

“Olha para o que eu digo, não olhes para o que eu faço”

 Acordei eram 10,30. Quando a minha senhoria entrou logo de manhã pela minha casa dentro a cantarolar, e eu vi as horas nem queria acreditar!! Deixou de ser meu costume este tardio acordar, mas na verdade, onde é que eu quero chegar?

 Ao antes e depois.

 Se antes eu ficaria stressadíssima, e a pensar que lá se tinha ido uma manhã de trabalho, que o dia todo se ia atropelar comigo enrolada, nesta altura da minha vida que tanta coisa se clareou dentro de mim, mesmo estes estranhos recônditos, que se chamam sentimento de culpa, em, vez disso pensei:

“Ok, descansei, também mereço”

 Segui o meu dia tranquila, fui caminhar até á zona mais bonita da aldeia, com a companhia do meu filho mais novo, desfrutei do passeio como se um dia de férias se tratasse, e a seguir, cheguei, atropelei a hora do almoço, mas paciência, soube-me bem, neste momento dou-me sobejamente a todos esses privilégios.

 E a seguir empreendi num dia de limpezas a fundo, em que lhe dei forte e feio, tomei banho, peguei no pessoal e fui, lanchar!!!

 Agora estou aqui a escrever, com o dia feito de uma forma diferente, á laia de férias, mas vou trabalhar de seguida.

Quando vinha pelo caminho, nas peripécias humorísticas entre mim e a minha senhoria, contava-lhe em pormenor, como se de verdade se tratasse como iría começar a arranjar a minha futura casa, que já tão bem sei e sonho qual vai ser, e como iría começar a obra, onde iría ser o quê…que já tinha arranjado quem me ajudasse e limpar primeiro, porque para lá vou mudar antes de fazer obras, porque as quero fazer aos poucos. Já tenho construtor e ao virmos nesta conversa animadíssima, com se de uma verdade única, ela perguntava-me se eu ia com atenção á condução  porque ia tudo numa séria galhofa. Séria!!

 Sonhar é tão bom, e nada difícil colocar verdade de sentimentos naquilo que desejamos.

Afinal sonhar é ter objetivos e acreditar que tudo se consegue.

 São os dias que por aqui vivo, tão sozinha como tão acompanhada de mim própria, e da minha saudável loucura que contagia tanta gente.

Imagem


Deixe um comentário

Com amor e devoção

Imagem

Esta semana andei a ler um ensaio de Ishwar Puri, de quem de dia para dia estou mais fã.

Hoje tirei o Domingo para estar aqui rodeada das minhas madeiras velhas para estar sem pressas, e vou traduzir á minha moda aqui, um pouquinho do que li, sendo que acho super inspirador.

Este senhor tem um site que se chama:

Intitute for the study of human awareness

http://www.ishanews.org/ishwar-puri/

onde podem fazer o download gratuito dos seus workshops escritos, e onde eu fui buscar um sobre o amor que se chama “On love” , e que é fundamental.

Conto aqui que Ishwar Puri mudou da Índia para os Estados Unidos na década de 60 para assistir de perto á mudança do centro da espiritualidade da Índia para o EU, e desde então dá workshops sobre variadissimos temas que preparam quem estiver disposto a ver mais mais clareza um mundo futuro.

“A mente divide-se em 3 partes:

primeira é responsável pelas percepções dos sentidos e dá-lhes significado…

segunda ou do meio, é responsável pela razão, pelo pensamento e pela lógica. Faz a soma de 2+2 e pauta-se pela máxima que diz, acredita apenas no que vês..

terceira ou superior, é a mente criativa responsável por todas as coisas novas que chegam á nossa mente.

A mente tem apenas estas 3 funções e não consegue fazer mais nada além de pensar de forma a racionalizar tudo aquilo que lhe chega!!…

Todas elas requerem tempo, espaço e causa.

Mas e então o que se passa comnosco além do corpo e da mente? Com a nossa consciência sobre o nosso ((EU))? Aquela parte que muito nos intriga quando o corpo morre, e que desaparece como fumaça, e que era tão especial quando aqui andávamos?? (este bocadinho fui eu que acrescentei…)

ALMA!!

Aquilo que a alma faz não encaixa no tempo, espaço ou na causa e a sua função é o AMOR, e a experiência do AMOR desafia o tempo, o espaço e a causa. De repente o AMOR está aí de um momento para o outro, não sabemos de onde veio, e não lhe encontramos a causa. Apenas aparece. Agora, quando o amor vem, claro que a mente começa a pensar…”humm, será verdade?? será que é??…

A segunda função na ALMA é a INTUIÇÃO e esta não requere tempo. Aparece de lado nenhum como um palpite, uma sabedoria interior que já nos vem gravada no ADN numa memória milenar. Não se encaixa no pensamento intelectual, mas o intelecto pode e tende a pensar sobre ela, e a atribuir-lhe todos tipo de desculpas quanto á sua veracidade, porque o pensamento racional precisa de uma causa para tudo. É como se vivêssemos numa batalha interna em que a intuição nos quer facilitar a vida e o pensamento racional tenta em passar-lhe atestados de burrice (esta parte fui eu que acrescentei…)

Diz o pensamento: “Ui isto não é lá muito racional!!… não pode ser!!

…e com o pensamento, que inferniza na verdade as nossa vida e a transforma de algo belo em algo pesado e cheio de duvidas e incertezas, perdemos e destruímos toda e qualquer experiência intuitiva que tem tudo para nos indicar os caminhos se pusermos de lado o pensamento racional que existe  para outras coisas, mas não para desafiiar a nossa intuição. Aprender a confiar que nem tudo tem de ter uma razão, ou lógica, ou motivo, ou whatever…

Nós não deixamos que a ALMA faça o seu trabalho porque sobre-usamos a mente e o pensamento. imprescindível

Por isso fazemos do paraíso um inferno.

Nas escolas ensinamos aos nossos filhos o valor do pensamento, e da racionalização, e da sabedoria, e da cultura, mas não há escola nenhuma que ensine ao uso da intuição e a sua valorização.

Se vivermos de acordo com a ALMA, que é o que temos nosso mais genuíno, vivemos em AMOR, INTUIÇÃO, ALEGRIA e BELEZA. e isto é o que o mundo oferece e é. É quando nós sobrevalorizamos o pensamento racional que destruímos todas esta experiência mágica.

Isto é só um pedacinho de muito valor de uma ensaio de 25 paginas de uma sabedoria imensa.

Deixo-vos um video dele dos meus favoritos.


Deixe um comentário

Lenda de Phoenix dos Daft Punk

Imagem

Á custa de andar a ouvir esta musica, fui descobrir qual era a Lenda de Phoenix e gostei tanto…

Lenda da mitologia Grega, um Phoenix era uma pássaro similiar a uma águia que se estima viveu para cima de 500 anos,…há quem diga muito mais. Pássaro de vida longa que se regenerava e renascia constantemente.

Associado ao Sol, o Phoenix obtia a sua nova vida reerguendo-se das cinzas do seu predecessor.

Não matava para comer, em vez disso, alimentava-se de dia do orvalho formado durante a noite.

Diz-se que sabia quando era chegado o momento de renasceer e preparava o ninho á base de  de galhos de baunilha e aí sentado pegava fogo ao ninho. Daí renascia um pequeno pássaro que em três dias se fazia adulto e totalmente formado.

Conta a lenda que as suas lágrimas eram curativas e que protegiam da morte.

As musicas trazem-me sempre coisas que me deixam curiosa e venho para acasa procurar e hoje fui feliz.

Deixo-vos os Daft Punk


Deixe um comentário

Entender aquilo que nunca entendi

Imagem

Ao ler isto hoje de manhã percebi pela primeira vez muita coisa do meu trabalho. Talvez vos ajude.

“Every creative journey begins with a problem. It starts with a feel of frustration, the dull ache of not beeing able to find the answer. We have worked hard, but we´ve hit the wall. We have no idea what to do next.

When we tell one another stories about creativity, we tend to leave out this phase of the creative process. We neglet to mention those days when we wanted to quit, when we belive that our problems were impossible to solve. Because such failures contradict the romantic version of events- there is nothing triumphant about false start- we forget all about them. (The failures also remind us how close we came to having no stories to tell) Insted, we skip straight to the breakthroughs. We tell the happy endings first.

The danger of telling this narrative is that the feeling of frustration- the act of beeing stumped- is an essencial part of the creative process. Before we can find the answer- before we probably even know the question- we must be immersed in disappointment, convinced that a solution is beyond our reach. We need to have wrestled with the problem and lost- And so we give up and move to Woodstock because we will never create what we want to create.

It´s often only at this point, after we´ve stopped searching for the answer, that the answer often arrives. The imagination has a wicked sense of irony. …”

Imagine  Jonah Leherer