aqui pelo campo


2 Comentários >

Imagem

Volto ao meu delicioso campo vinda da cidade de um dia de arrumações lá pelo Porto. É tão bom usar a terapia ocupacional para criar distanciamento de aquelas coisas que não nos saem da cabeça. Faze-lo é garantia de voltar outra, e ao sair da auto-estrada na zona da Póvoa sinto invadir-me uma alegria imensa, e, já em casa, a paisagem se esvazia de prédios quanto mais para norte caminho, e o sol põe-se ao longe deitado ao comprido. Espreguiçado em tanto espaço. O céu que me cobre. Termino a noite com mais uma sessão de violino que me embala o coração e deixo-vos aqui um ate amanhã

Anúncios


Deixe um comentário

Cultivar o caracter com Itzhak Perlman a ensinar as nossas crianças

Imagem

Estou a escrever este bocadinho e a ouvir o Cinema Paradiso tocado por Itzhak Perlman. Estou apaixonada por este homem. Pela forma como toca tão envolvente e pela sua simpatia. Avancei um pouco mais na vida dele e descobri que tem um programa de aulas de violino pelo mundo inteiro baseada no elogio. Achei incrível. Ele explica que temos tendencia para rebaixar o musico no seu inicio, não lhe dar tréguas e nunca o elogiar, e ele baseia a sua escola nas premisas do elogio. As crianças, sobretudo as Asiáticas que ali chegam com o peso da responsabilidade perante as suas famílias, geralmente austeras e exigentes enfrentam o inicio das aulas com um medo imenso. Imediatamente ficam desarmadas com a forma doce como este homem encara o ensino. Rir é importante, deixar de assustar as nossa crianças com o peso das nossas frustrações ainda mais. Aquela velha máxima que de nós suportamos e eles tem de o sentir na pele, muda completamente com uma forma de ver a vida baseada na ternura, no afecto e sobretudo no elogio. Esse pequeno nada que de nada se faz tudo. Aconselho a ouvirem Itzhak Perlman, é apaixonante. Este semana fiz varias aguarelas ao som do seu violino e há uma ligação forte entre paixões. Quase um êxtase e é com ele que devemos viver diariamente e não a arrastarmos o medo desde o berço até á sepultura. Sentei-me aqui a pensar que tinha saudades de escrever e sem saber o que escrever porque nem sempre me apetece estar a falar de mim, saiu-me isto.