aqui pelo campo

Quando não pode ser feito, façam-no

Deixe um comentário

2012 Christmas

“Every hero’s journey starts with a separation. To follow your calling, you have to leave the ordinary world behind and venture into uncharted territory. The old idea of you, shaped by external voices and internalized as your own distorted view of yourself, has to die so that a new reality may emerge.”

A jornada de cada pessoa começa com uma (separação). Para seguirmos e atingirmos aquilo que somos realmente, e fazermos aquilo que amamos, temos de deixar para trás todo um mundo em que vivemos moldado por vozes externas que nos distorcem a visão daquilo que realmente somos, e tudo isso tem de morrer para que possamos realmente emergir tal e qual como somos.


Esta semana recebi um email de uma amiga que me perguntava a titulo de curiosidade se eu tinha desabrochado já depois dos 30. Achei curiosa a palavra desabrochar.

Vou contar assim por palavras curtas o que aprendi nestes últimos dias em face de certas coisas que estou a viver. e a esse meu desabrochar.

1, Que o lado misterioso da vida a faz incrível e muito mais generosa tal é a nossa vontade de vive-la á medida que disto nos vamos apercebendo.

2, Que a Sincronicidade é tão real como ir á torneira e abri-la para lavar os pratos.
O que quero dizer com isto.

Existem certas alturas na nossa vida (e cada dia mais, á medida que valorizamos tudo isto) que certas coisas acontecem, que, ou nos passam ao lado totalmente , ou  deixam uma sensação que de vez em quando nos aflora á cabeça como algo que sabemos como certo e não queremos admitir porque a nossa voz interior é aquela que mais medo temos de ouvir.
Ela é levada da breca.

Põe á prova a nossa confiança
Põe a nossa vida em pantanas quando a ouvimos
Deixa-nos sensações desconfortáveis do estilo “eu sinto que devia fazer isto” mas como não acredito em mim não faço e mais tarde Ups!!

3, Que há sempre uma altura na vida em que algum outro acontecimento nos vem relembrar aquele que já passou e… ups!! nos faz viajar de gáz ao passado àquela determinada situação e aí temos um Wowwww…agora estou a perceber…Insigth. São geralmente situações em que não acreditamos totalmente, que não acontecem por mero acaso como mais tarde sempre vimos a verificar.

4,Que as situações ou  pessoas, se repetem na nossa vida tal e qual ao longo dos anos… mas com caras diferentes se não as assumimos resolver. Problemas no emprego, problemas nos relacionamentos de amizade ou amor…

5,Que o mais difícil é ter plena consciência de que, apesar das opiniões ditadas pelos outros temos de assumir que temos de viver, e sorver tais situações ou pessoas para que as coisas ganhem o rumo certo.

6,Que é fundamental saber o que não se quer e sobretudo o que não se admite de ninguém

7. Que nem sempre aquilo que parece é..que estamos sempre a envenenar a nossa vida com pensamentos obsoletos que nos deixam ansiosos e que mais tarde nos confrontam com as tais situações que os atiram por terra. Os Hebraicos chamam a este medo Pachad. Medo dos acontecimentos projectados pela nossa imaginação que não estão realmente lá. Medo por antecipação…
(Noutro post dar a fantástica definição de medo que muda por completo a nossa visão sobre tudo)

8, Que para se procurar ser aquilo que se é é preciso arriscar a perder tudo

9, Que nunca estamos realmente preparados e por isso é que conseguimos lá chegar

10, Que a vida na terra é uma escola e uma vez sabido isto tudo ganha uma sabor diferente.

11, Que a culpa não é dos outros porque a opção é nossa!!

Uma definição que explica um pouco tudo aquilo que aqui falo hoje:

Sincronicidade é um conceito desenvolvido por Carl Gustav Jung para definir acontecimentos que se relacionam não por relação causal e sim por relação de significado. Desta forma, é necessário que consideremos os eventos sincronísticos não a relacionado com o princípio da causalidade, mas por terem um significado igual ou semelhante. A sincronicidade é também referida por Jung de “coincidência significativa”.
O termo foi utilizado pela primeira vez em publicações científicas em 1929, porém Jung demorou ainda mais 21 anos para concluir a obra “Sincronicidade: um princípio de conexões acasuais”, onde o expõe e propõe o início da discussão sobre o assunto. Uma de suas últimas obras foi, segundo o próprio, a de elaboração mais demorada devido à complexidade do tema e da impossibilidade de reprodução dos eventos em ambiente controlado.
Em termos simples, sincronicidade é a experiência de ocorrerem dois (ou mais) eventos que coincidem de uma maneira que seja significativa para a pessoa (ou pessoas) que vivenciaram essa “coincidência significativa”, onde esse significado sugere um padrão subjacente.
A sincronicidade difere da coincidência, pois não implica somente na aleatoriedade das circunstâncias, mas sim num padrão subjacente ou dinâmico que é expresso através de eventos ou relações significativos. Foi este princípio, que Jung sentiu abrangido por seus conceitos de Arquétipo e Inconsciente coletivo, justamente o que uniu o médico psiquiatra Jung ao físico Wolfgang Pauli, dando início às pesquisas interdisciplinares em Física e Psicologia. Ocorre que a sincronicidade se manifesta às vezes atemporalmente e/ou em eventos energéticos acausais, e em ambos os casos são violados princípios associados ao paradigma científico vigente. Segundo Rocha Filho (2007), inclusive o insight pode ser um fenômeno sincronístico, assim como muitas descobertas científicas que, de acordo com dados históricos, ocorreram quase simultaneamente em diferentes lugares do mundo, sem que os cientistas tivessem qualquer contato. Acredita-se que a sincronicidade é reveladora e necessita de uma compreensão, e essa compreensão poderia surgir espontâneamente, sem nenhum raciocínio lógico. A esse tipo de compreensão instantânea Jung dava o nome de “insight”.
Acreditem, que todos os dias me debato com as mesmas duvidas que todos vocês, que a Firmeza é neste momento o meu maior propósito e que hoje em dia valorizo as coisas que me acontecem de uma forma totalmente diferente
Quer seja algo bom ou mau, imediatamente me coloco do lado de fora e pergunto porque raio isto ou aquilo me esta a acontecer, e encontro sempre a resposta com os acontecimentos seguintes. É incrível.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s