aqui pelo campo


1 comentário

O meu projeto de vida

O meu primeiro texto escrito á maquina de escrever antiga, que passa pelas minhas mãos esta vida depois de muitos anos parada. Adoro escrever-lhe, e a parceria entre o pensamento e a acção. Como ainda estou a aprender já passei tres vezes a limpo e ainda vou passar mais uma, mas de cada vez que o faço, o projeto apruma-se.

Imagem


3 Comentários

A arte de aprender a nossa Sombra. Ensaio sobre o post de Justine Musk

Imagem

Ontem tive uma noite ótima. Enquanto agora de manhã já ouço a gargalhadas costumeiras da rapaziada em ferias..ontem, depois de um dia em contacto com a natureza, banhos de rio e mergulhos rio a dentro do morro mais alto enquanto ainda não chegam ao cimo dos esteios, o sono venceu-os e eu pude fechar a porta do atelier e passar uma noite a ler e explorar aquilo que uma internet, ontem bastante lenta, me permitiu. Sou leitora regular do blog de Justine Musk e, a tomar notas geralmente.

Vou direta aos posts que mais me tocam e encontro, livros, videos, links e pessoas que adoro integrar na minha vida do dia a dia com a sua sabedoria.

Estive a ler um post sobre as sombras que todos escondemos. Aquela parte nossa que não gostamos de admitir, ou enfrentar nem a nos próprios. Já me tinha dado conta na minha vida pessoal que atraio, no que toca aos homens por exemplo, um determinado padrão de comportamento, e embora diferentes, todos eles se tocam numa característica especial, e isso, com o poder de analise que felizmente adquiri, saltou-me recentemente á vista. No que toca as amizades acontece o mesmo. Costumo ter á minha volta pessoas amigos que num ou noutro factor coincidentemente ou não, se tocam. Estas características que geralmente nos provocam desconforto são aquelas que tomando a forma de um espelho podemos encontrar em nós próprios, e com as quais ainda não aprendemos a lidar, e por isso estão aí á nossa frente para nos fazer pensar, entrar em choque. Quando o assunto se resolve deixa de nos fazer eco, essas pessoas geralmente seguem o seu caminho e vem outras e assim vamos aumentando a nossa frequência vibratória e melhorando o nosso dia a dia com maior consciência sobre os nosso próprio ser e assim vivemos com mais autenticidade.

Na minha vida pessoal, que serve não apenas para mim, mas para toda e qualquer pessoa que com o que escrevo se identifique. Saliento que escrevo para quem se revê integrar na sua vivência como forma de melhorar, viver melhor,..vou passar a um exemplo prático,

Somos seres humanos cheios de duvidas, ensinamentos, recalcamentos, nuances… Temos dentro de nós uma escola de “deves” isto ou, “não deves” aquilo. Toda a gente durante a nossa infância e por ai além opinou sobre como devemos agir ou comportar-nos. Os nossos pais afogam muito das suas frustrações em nós, filhos. Anseios por viver, desejos por alcançar que deveremos conseguir ultrapassar,  para não passar por tudo o que eles passaram. Nós próprios começamos a fazer o mesmo com os nossos filhos, se não tomarmos consciência que devemos parar e deixa-los viver, respirar, criar as suas próprias expectativas, sonhos, desejos.

“Eu posso não concordar, mas vou gritar ao mundo o direito que tens de o fazer”

Na parte mais consciente da minha vida adulta. Digo consciente porque casei com 18 anos e aos 20 já era mãe, e tinha uma carga pesada de preocupações numas costas que não são as mesmas que encontro nestas mulheres do campo, endurecidas na escola da vida. Neste meu percurso mais consciente dei-me conta que a minha necessidade de liberdade é primordial nesta minha caminhada. Além disso, a necessidade de provar a mim própria que sou capaz de levar a minha vida para a frente sozinha é para mim imperativa. Ser forte,dura, frontal…tudo aquilo que nunca me vi ser quando era uma menina introvertida e pouco faladora e cheia de medos. Sempre encontrei nos poucos namorados que tive uma característica única neles todos. Uma incapacidade de decisão, uma incapacidade de resolver determinadas situações e virarem-se para mim e dizerem. Resolve tu!!…sempre que me defronto com esta caracteristica é como se voltasse ao meu eu pequenino e me retraísse para um canto, sentindo o peso do abandono.

Só quando aceitei perante mim propria que precisava de alguém que olha-se por mim, obtive um “deixa estar, eu ocupo-me disso” (estas palavras foram ouro para mim numa determinada altura ainda que, de nada especial houvesse para se ocupar)

Resolvo eu?? 

Na verdade passei anos a resolver, e ainda hoje sou rápida nessa caracteristica se tenho de ser EU, mas se me colocar em frente ao espelho e colocar uma outra Graça ao meu lado, aquela que integra em si este sentimento azedo, talvez até perdido, quando  ouço saído da boca de quem o profere esse assustador “resolve tu” vejo bem a Graça que eu era quando era pequenina. Incapaz em tantas coisas . Incapacidade essa que afinal cresceu comigo a par e do que ainda hoje vivo, e que a vida se esforça por colocar bem á minha frente como forma de eu as vencer. Vencer-me a mim própria.

Ao tomar consciência disto, tomo consciência da minha sombra. Eu Graça luz, a fortalhaças, a mulher capaz das decisões duras e algo rebeldes, e o meu contra ponto, a Graça frágil, metida com ela que queria tanto ter alguém que a ajudasse nesses momentos com uma tranquilidade que nunca encontrei, e no entanto sem se impor como uma imperador e subjugar essa Graça que só respira em liberdade (asmática por sinal…)

Isto é a dita vulnerabilidade e assumi-la é a única forma de nos vermos com autenticidade. 

Tu és aquilo que atrais.

“O preço que pagamos por reprimir a nossa ((sombra)) é a falta de autenticidade. Também o bloqueio do nosso poder criativo.

Faz-nos sentir inseguros.

É a nossa vulnerabilidade que nos faz ser amados, que nos liga (conecta) com as outras pessoas, que nos faz ser autênticos. Não podemos conectarnos com as pessoas de uma forma autentica, se não estivermos dispostos a expor o nosso verdadeiro (eu)- e sobretudo a nós próprios

…é ai que está o sumo.

Quando mais deres, mais tens”

Comecei a abrir olhos para tudo isto á medida que fui ajudando a minha existência através da leitura, mas foi fundamental um dia, um senhor, amigo, com quem me cruzo há alguns anos mas com quem só recentemente falo. Pessoa calada observadora, me disse que me achava frágil. No momento fiquei perplexa. Não intregrava em mim de todo esta característica. -“Eu frágil????” mas na verdade…era!! ou melhor Sou! e na verdade quero ser. É o que chamo de equilíbrio, carinho por aquilo que sou de nascença e luto para vencer mas que se calhar não tem de ser vencido, mas sim vivido, sem medo.


2 Comentários >

Imagem

Volto ao meu delicioso campo vinda da cidade de um dia de arrumações lá pelo Porto. É tão bom usar a terapia ocupacional para criar distanciamento de aquelas coisas que não nos saem da cabeça. Faze-lo é garantia de voltar outra, e ao sair da auto-estrada na zona da Póvoa sinto invadir-me uma alegria imensa, e, já em casa, a paisagem se esvazia de prédios quanto mais para norte caminho, e o sol põe-se ao longe deitado ao comprido. Espreguiçado em tanto espaço. O céu que me cobre. Termino a noite com mais uma sessão de violino que me embala o coração e deixo-vos aqui um ate amanhã


Deixe um comentário

O poder da sedução

Imagem

Parti numa “peregrinação” sozinha à terra do meu pai. Ponte de Lima. Acabo sempre por lá ir quando preciso de pensar e ponderar certas decisões que tenho de tomar ou que tomei. Do outro lado da ponte velha, a capela do anjo da guarda, com uma das estátuas de arte sacra mais bonitas que conheço, já trava amizade comigo á 46 anos e eu volto sempre para colocarmos a conversa em dia. É um momento de paz imenso para mim. Nem sempre a arte me basta para extravazar. Sigo para mais um dia, e deixo aqui um livro e um video. O video já o coloquei no facebook, mas à semelhança do nus que pinto (que são geralmente os quadros que não consigo vender…), no video não obtive um único LIKE, e muito menos comentários o que não deixa de ser curioso, porque é sem duvida, perante isto, um comportamento tabu entre as pessoas. Ando a ler sobre a intimidade porque sei o peso que tem na vida de toda a gente este mesmo tema, que nos trás a tona naquilo que escondemos, como diz a minha mãe “um jardim secreto” que é nosso, e precioso. Sei do poder da sensualidade e da sedução nas tarefas mais rotineiras e nas nossas decisões. Sempre foi um tema que me fascinou (e talvez porque, sou peixes com ascendente balança explica muito tudo isto). Há muito aquela moda de dizer,-“pronto… lá vem esta com os signos…”- mas na verdade não faço a separação entre o “lá em cima” e o “cá em baixo”. Seria impossível viver. Desejo-vos um dia feliz e volto amanhã com este novo roteiro de ferias, com escritos mais curtinhos e menos pesados para mim. Até aqui preciso de descansar um pouco.

 

Livro  

INTIMIDADE confiar em si proprio e no outro

Osho

Importantíssima a mensagem deste video no sentido em que coloca a sedução num patamar possível a todos dentro da sua beleza pessoal seja ela gorda ou magra. A beleza que todos temos ao confiarmos em nós próprios.  


Deixe um comentário

Cultivar o caracter com Itzhak Perlman a ensinar as nossas crianças

Imagem

Estou a escrever este bocadinho e a ouvir o Cinema Paradiso tocado por Itzhak Perlman. Estou apaixonada por este homem. Pela forma como toca tão envolvente e pela sua simpatia. Avancei um pouco mais na vida dele e descobri que tem um programa de aulas de violino pelo mundo inteiro baseada no elogio. Achei incrível. Ele explica que temos tendencia para rebaixar o musico no seu inicio, não lhe dar tréguas e nunca o elogiar, e ele baseia a sua escola nas premisas do elogio. As crianças, sobretudo as Asiáticas que ali chegam com o peso da responsabilidade perante as suas famílias, geralmente austeras e exigentes enfrentam o inicio das aulas com um medo imenso. Imediatamente ficam desarmadas com a forma doce como este homem encara o ensino. Rir é importante, deixar de assustar as nossa crianças com o peso das nossas frustrações ainda mais. Aquela velha máxima que de nós suportamos e eles tem de o sentir na pele, muda completamente com uma forma de ver a vida baseada na ternura, no afecto e sobretudo no elogio. Esse pequeno nada que de nada se faz tudo. Aconselho a ouvirem Itzhak Perlman, é apaixonante. Este semana fiz varias aguarelas ao som do seu violino e há uma ligação forte entre paixões. Quase um êxtase e é com ele que devemos viver diariamente e não a arrastarmos o medo desde o berço até á sepultura. Sentei-me aqui a pensar que tinha saudades de escrever e sem saber o que escrever porque nem sempre me apetece estar a falar de mim, saiu-me isto.


2 Comentários

As coisas que sublinho

Imagem

“Se agitarmos a água de um charco, vemo-la tornar-se lamacenta, mas a verdadeira natureza da água não é contaminada. Basta permitir que ela se acalme para que a lama se deposite no fundo e a água reencontre a sua pureza original. Como fazer para devolver ao espirito a sua pureza original? Como eliminar os factores de poluição mental? Não o conseguimos debatendo-nos no exterior negligenciando-os, mas introduzindo antídotos poderosos pelo canal da meditação. Se temos possibilidade de praticar todos os dias, por pouco que seja, recolhendo o nosso espirito disperso sobre um objecto interior, isso será muito útil. A conceptualidade que cria os pensamentos sobre as coisas boas ou más ficará em repouso. Para nós, será como umas ferias conseguirmos livramo-nos dos conceitos e ficar em repouso”

Samsara

Dalai Lama

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 2.677 outros seguidores